História

Foi nos idos de 1939, quando a Prefeitura Municipal de Bragança, inaugurou nos arredores do campo da Penha, um “Campo de Aviação”, para receber o então Governador do Estado de São Paulo, Dr. Adhemar de Barros, que começou de fato, a história da aviação em Bragança, e que o sonho da criação do “Aero Club”, começava a se tornar realidade.

Dalmácio de Souza Ferraz, apaixonado por aviação e Jacintho Osório de Lócio e Silva, (carinhosamente chamado de Jacintinho, que já era brevetado pelo “Aero Club de São Paulo”), ambos com o mesmo ideal juntaram-se, surgindo daí a idéia de fundar em Bragança, um “Aero Club”. Procuraram o Prefeito Municipal, senhor Luiz Gonzaga de Aguiar Leme, que se entusiasmou com a idéia e a levou à outros bragantinos interessados nesta empreitada. No dia 1° de junho de 1940, nas dependências da Prefeitura Municipal, reuniram-se então para fundar o “AERO CLUB DE BRAGANÇA”, (obs. O nome de Bragança Paulista, foi a partir de 1944, devido existir uma outra cidade com o mesmo nome de “Bragança”, localizada no Estado do Pará), depois de várias reuniões e Estatutos aprovados, foi eleita e empossada a 1ª Diretoria conforme jornal “Cidade de Bragança”, de 06 de junho de 1940, ficando assim constituída: Presidente de Honra: Sr Luiz Gonzaga de Aguiar Leme, Prefeito Municipal; Presidente: Sr. Jacintho Osório de Lócio e Silva; Vice-Presidente: Sr. Dalmácio de Souza Ferraz; 1º Secretário: Dr. Conrado Stefani; 2º Secretário: Sr. Julio Vilchez; 1º Tesoureiro: Sr. José da Silveira Leme; 2º Tesoureiro: Dr. José de Aguiar Leme; O Conselho Consultivo: Srs. Dr. José da Silveira Guimarães, Dyonisio Payão e Cícero Marques.

O improvisado “Campo de Aviação”, como era chamado naquela época, era rudimentar e funcionava precariamente localizado onde se encontra hoje a Estação de Tratamento de Água, (Posto de Monta), no Bairro da Penha, e para que de fato, pudesse funcionar em nossa cidade uma escola de pilotagem com os requisitos necessários, era preciso construir uma nova pista. Para tanto, formou-se uma comissão liderada pelo Prefeito Municipal, Luiz Gonzaga de Aguiar Leme, que procurou o senhor Arthur Siqueira, fazendeiro e proprietário da Fazenda Caeté, explicando ao mesmo da necessidade desta nova pista especialmente para o desenvolvimento e progresso não só da aviação, mas também para o próprio município de Bragança.

Foi então cedida uma área de sua fazenda que tinha 100X600 metros para que fosse lá construído o referido, “Campo de Aviação”, que logo foi homologado, vindo em seguida a construção do Hangar e a casa do zelador. Alguns anos mais tarde, devido o interesse e curiosidade despertada nos habitantes da cidade pelo pouso e decolagem dos aviões do “aero club” e de outras localidades e também pela freqüência dos alunos, dos associados e seus familiares, foi também construída e logo inaugurada, uma Sede de Campo, de arquitetura simples e bonita, aliás, de muito bom gosto.

Durante a II Guerra Mundial, desenvolveu-se no Brasil, uma campanha liderada pelo jornalista Assis Chateaubriand, através dos Diários Associados, “Dêem Asas ao Brasil”, que pretendia formar pilotos para a reserva da Força Aérea Brasileira, e para isto, contando com o apoio do Ministro da Aeronáutica, Dr. Salgado Filho, e com muita política, a ordem era, adquirir e distribuir centenas de aviões, para outras centenas de aeroclubes que eram fundados e que se espalhavam por todo o território nacional.

O 1° avião destinado ao “Aero Club de Bragança”, foi um J-3 PIPER CUB de 65hp, prefixo: PP-TMJ, de fabricação norte-americana, batizado como “Alcântara Machado”, doado por Peixoto de Castro, à época dono da Loteria Federal e que contou com o empenho do bragantino Olympio Guilherme, amigo pessoal de Assis Chateaubriand, isto em meados de 1942. O 2° aparelho foi um CAP-4 “PAULISTINHA”de 65hp, prefixo: PP-RCV, de fabricação nacional, batizado de “Zé Carioca” doado pelo povo do Rio de Janeiro”, que chegou em fins de 1943. Com estas duas aeronaves foram brevetados duas turmas: A 1ª Turma com 14 Pilotos em 1943/44 e a 2ª Turma com 10 Pilotos em 1945. – Obs. fazia parte desta 2ª Turma, a primeira mulher a receber seu Brevet de Piloto Civil neste Aeroclube; Srta. Gladys Maringuerra Santos.

Após ter passado por vários problemas após o término da II Guerra, (1945), o “Aero Club de Bragança”, ainda sobreviveu até meados de 1949, depois de algumas tentativas infrutíferas de sobreviver, finalmente o “Aero Club” encerrou suas atividades. Entre os anos de 1950/51, foram feitas algumas tentativas para o reinicio das atividades aéreas com a reforma feita no CAP-4, PP-RCV, aqui mesmo em nossa cidade, o avião chegou a voar algum tempo, mas devido a fortes ventos, parte do Hangar desabou e o “Paulistinha”, ficou ao relento, deteriorando-se e colocando um ponto final nesta tentativa de reerguer o clube.

Em 1952, com o crescimento da cidade e com o apoio do Governo Estadual, foi iniciada a ampliação da Pista de Pouso, que serviria para alternativas para as aeronaves em rota para São Paulo. Após vários acertos com os herdeiros de Arthur Siqueira, no dia 14/04/1953, foi realizado o serviço de terraplanagem e construída a nova Pista, com 50 X 1.100 m, ficando o “Aeroclube de Bragança Paulista”, (nome que foi registrado após reorganização do aeroclube), com permissão concedida de uso gratuito, mediante contrato de comodato renovável a cada vinte anos.

A reorganização do aeroclube teve início entre 1955/56, quando jovens bragantinos, idealistas, oriundos do “Clube de Aeromodelismo Santos Dumont” local, entre eles; Mauro J.Godoy Moreira, Roberto M.P.Campos, Wilson P.Oliveira, Carlos A.Ladeira, Antonio F. Rolindo, Luiz C.Oliveira e Braz F.Panizza, acharam por bem reerguer o “velho” aeroclube, para tanto, procuraram alguns ex-diretores, associados, pilotos veteranos e juntaram-se a eles, os “apaixonados” da aviação local, ou seja, a velha e a nova geração para preparar os novos rumos que deveria ser tomado para com o futuro aeronáutico de Bragança Paulista. Foi o início de uma nova era da aviação em nossa cidade e no dia 05/10/1957, foi eleita e empossada a Diretoria do Aeroclube que foi a responsável pela sua revitalização, ficando assim constituída:

  • Presidente de Honra: Dr. Mario Cintra Gordinho
  • Olavo Fontoura e Jurandyr Raposo de Medeiros
  • Presidente: Dr. José de Aguiar Leme
  • Vice-Presidente: Ângelo Botta
  • 1° Secretário: Mauro José de Godoy Moreira
  • 2° Secretário: Carlos Alberto Ladeira
  • 1° Tesoureiro: Hugo Marques Fagundes
  • 2º Tesoureiro: Wilson Pires de Oliveira
  • Diretor de Material: Antonio Ferreira Aguirre
  • Diretor da Escola de Pilotagem: José Angelino de Souza

Junto a esta Diretoria, destacamos ainda as pessoas que trabalharam com o mesmo idealismo para que o aeroclube atingisse o patamar em que se encontra hoje: Roberto Menezes Pires de Campos, Isly Santa Clara, Jacintho Silva, Haroldo de Souza, Antonio Fernando Rolindo, Mario Nascimento, José Alfredo Salim, José Pupo de Souza e Otávio Siqueira.

aeroclube